Imprimir Shortlink

DON JON (COMO NÃO PERDER ESSA MULHER)

don-jon-poster04Uma comédia ácida (temática para adultos) e nada convencional que passou meio despercebida nos cinemas (a partir do final de 2013), mas que é uma revelação. Assim como também o é Joseph Gordon-Levitt, como roteirista e diretor, além de também protagonizar o filme – e com prestígio imenso, contando com duas grandes atrizes no elenco: Scarlett Johansson e Juliane Moore -, com um roteiro feito basicamente sob a ótica masculina. Sobre o título em português, embora seja reiterado meu comentário a respeito, é mais uma vez lamentável e neste caso mostra-se totalmente dissociado do enredo! Mas este filme, uma comédia satírica e que escracha com uma porção de valores, se visto no tom certo propiciará muita diversão. E no final fará pensar. O personagem de Joseph, um ítalo-americano que gosta do corpo, do carro, da família, dos amigos e das mulheres, é um sujeito viciado em sexo pela internet e que acha que isso é muito mais atraente do que as relações da vida real. A composição desse personagem é muito interessante e deve ter divertido bastante o ator (inclusive nas cenas com o pai, nas refeições de família, ambos gritando e gesticulando, cada um com a sua camiseta regata branca, no bom estilo “malandro-mafioso”…). O roteiro é excelente também nas entrelinhas, ao criticar/satirizar diversas instituições, como a própria família, o casamento, a Igreja, o culto ao corpo e por aí afora…Quanto mais sutilezas percebermos, mais nos divertiremos. Detalhe: a irmã – permanentemente pendurada no celular – é interpretada por Brie Larson, que recentemente ganhou o Oscar de Melhor Atriz (“Room”). Comédia à parte, entretanto, o mais importante do filme é que a sátira acaba prestando serviço a favor da reflexão, que se torna um elemento essencial na parte final, a partir dos diálogos de Jon com a nova amiga, que é a pessoa que verdadeiramente passa a questionar profundamente a respeito do vício do protagonista. O que temos, então, é uma mensagem que enaltece a verdade, como norte absoluto dos relacionamentos. O final é muito bonito e poderá para alguns parecer uma solução fácil ou até sentimentaloide. Eu não vi assim, porque achei que os fatos ocorrem de uma forma lógica e penso que a verdade é o que todos, afinal, buscamos ou deveríamos almejar.  9,0

Achou interessante? Gostou? Compartilhe !
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone