Imprimir Shortlink

A CULPA É DAS ESTRELAS (THE FAULT IN OUR STARS)

a CULPATem muita gente fugindo deste drama romântico por achar que vai ver lágrimas gratuitas típicas dos filmes piegas, a chantagem emocional tão comum. Puro engano. Mas isso na parte de piegas, pois provavelmente quanto às lágrimas o pensamento será totalmente verdadeiro. Poderá até ser um “massacre” para os sensíveis. Baseado em livro do campeão de vendas John Green – que deve ter ficado surpreso e satisfeito com o resultado da sua obra na tela -, o filme tem notadamente uma bela  e eficiente construção dos personagens, pois o ótimo Ansel Ergort (Divergente) e principalmente a excelente Shailene Woodley (Spectacular now, Os descendentes, Divergente…) dão total credibilidade à história e nos fazem viajar por inúmeras lições e emoções. Um show à parte esses dois. É dilacerante o filme pela temática que aborda, mas também consegue ser doce, delicado, cativante, com um trilha sonora marcante e sensível, ótima fotografia, belas locações e , claro, uma ótima direção (Josh Boone), contando ainda com um elenco de “apoio” de peso (Laura Dern, Willem Dafoe…). No meu tempo de jovem, lembro que houve alguns filmes que emocionaram a minha e mesmo outras gerações, com histórias tristes e/ou trágicas, como Romeu e Julieta e Love Story…Este filme talvez seja, nesse sentido, um excelente marco do cinema jovem atual, porque além de ser extremamente bem feito, traz várias mensagens importantes sobre como vale a pena viver e aprofundar os sentimentos, independentemente do tempo que está reservado a cada um de nós. E que, afinal, ninguém sabe quanto tem de medida.  9,0

Achou interessante? Gostou? Compartilhe !
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestEmail this to someone
  • Lucio Munhoz

    Parabéns, como sempre, pelo comentário!
    Eu estava fugindo desse filme (A culpa é das estrelas), mas me senti um pouco encorajado para vê-lo, após o seu comentário….
    Abs.
    Lucio Munhoz

  • Grande prazer ler suas palavras, caro Lúcio e também saber que você era, como eu, um dos fujões, rsss. Aqui em casa ainda tem gente fugindo, rss. Grande abraço!